Trata-se de uma doença infecto-contagiosa, transmitida de pessoa a pessoa através de gotículas (transmissão por via aérea). Afeta prioritariamente os pulmões, mas pode acometer outros órgãos e sistemas.

São 30 os países priorizados pela OMS que concentram 80% dos casos de TB, o Brasil está incluso entre eles na 20ª posição. Apesar de ser uma doença curável e evitável, é considerada uma doença grave de saúde pública mundial, que atinge todas as faixas etárias. Devido as complicações que podem ocorrer, a TB causa ainda muitas mortes, principalmente quando associadas a condições sociais e econômicas precárias.

A queda na incidência da TB pode estar correlacionada a melhorias nutricionais, de higiene e nos padrões de moradia (saneamento básico).

Sintomas:

Geralmente, a infecção primária é assintomática ou leve, podendo ocorrer febre e dor torácica. Essa lesão cicatriza espontaneamente na grande maioria e permanece como um nódulo calcificado no pulmão.

A evolução (fase adulta da doença) apresenta comumente sintomas inespecíficos como febre diurna, sudorese noturna, perda de peso, anorexia, mal-estar e fraqueza. Sua progressão evolui com tosse, com hemoptise (sangramento pela tosse) ocasional.

Em geral, os sintomas são tosse por 3 ou mais semanas, catarro, febre, sudorese, cansaço, dor no peito, falta de apetite, podendo evoluir com escarro com sangue.

Tratamento:

Trata-se de uma doença curável apesar de grave, e seu tratamento consiste na combinação de 4 fármacos fornecidos pelo Sistema Público de Saúde, com duração de pelo menos 6 meses A principal dificuldade refere-se aos efeitos colaterais destes medicamentos.

Prevenção e Controle:

Necessário o acompanhamento do tratamento por profissional da saúde treinado, desde o início, pois, os efeitos colaterais poderão levar o paciente a interromper o tratamento e, assim, disseminando a doença. Na grande maioria, após 15 dias de tratamento, o paciente não transmite mais a doença.

A Vacinação BCG previne as formas graves e as disseminações pelo sangue e a meningoencefalite. A vacinação está inserida no Programa Nacional de Imunização.

Indivíduos que apresentem tosse contínua há 3 semanas ou mais devem ser avaliados como em risco e investigados.

A identificação precoce e o tratamento adequado dos casos existentes são a medida mais eficaz para interromper a transmissão. Desta forma, caso tenha convivido com um paciente com TB na residência ou no trabalho, deve procurar um posto de saúde para avaliação.